A conectividade no campo está aumentando, e com ela, a utilização cada vez mais frequente de importantes tecnologias

A conectividade no campo está aumentando, e com ela, a utilização cada vez mais frequente de importantes tecnologias

Publicado por: Luciana Abreu Publicado: 03/08/2021 Visitas: 315 Comentários: 0

A conectividade no campo está aumentando, e com ela, a utilização cada vez mais frequente de importantes tecnologias.

Entenda como isso impacta a produção agrícola e a vida de todos nós.

 

A tecnologia está inserida em nossas vidas. Em atividades comuns, como o pagamento de contas ou pedidos de comida, até nas mais complexas, como nas cirurgias médicas realizadas à distância. Nos últimos anos, mudamos profundamente os nossos hábitos. A forma como pedimos um transporte urbano, ou como alugamos imóveis para hospedagens temporárias passam pela utilização da tecnologia.

O modo como consumimos, aprendemos, nos comunicamos e relacionamos também podem usar uma ou mais soluções que envolvem tecnologia. E é assim no campo também. Produtores rurais estão cada vez mais conectados. Utilizam soluções e serviços que significam expansão na escala, aumento na velocidade e produtividade, e um cultivo mais eficiente.

 

E você sabe por que isso é importante?

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação  (FAO), até 2050 a população mundial vai chegar a quase 10 bilhões de pessoas. A expectativa é que a produção agrícola aumente em 70% no mesmo período. E se engana quem pensa que para atender a esta demanda basta apenas expandir as áreas de cultivo, afinal, já utilizamos 40% de toda a superfície terrestre e 75% de toda a água do planeta. Alguns estudos indicam que o espaço que a agricultura ainda tem para crescer é de apenas 5%. Como atender a demanda crescente com pouca área e recursos naturais?

A resposta está no desenvolvimento das novas tecnologias. Inteligência artificial, softwares de mapeamento, máquinas autônomas, sensores conectados e outras que podem otimizar a eficiência dos processos e melhorar a produtividade, sem precisar aumentar a área de produção.

Uma pesquisa realizada pelo McKinsey Center for Advanced Connectivity e McKinsey Global Institute (MGI) revela que a inclusão digital nos processos agrícolas vai ser fundamental para o desenvolvimento do setor diante das dificuldades mencionadas. Porém, de acordo com o levantamento feito pela consultoria - líder no mercado mundial - existe um desafio duplo para que a tecnologia possa ser implantada em sua totalidade. A infraestrutura deve ser desenvolvida para permitir o uso da conectividade no campo, e onde a agricultura já existe, devem ser feitos negócios sólidos para que as soluções possam ser adotadas.

A boa notícia, segundo a McKinsey, é que a cobertura de conectividade está  aumentando em todos os lugares. A expectativa é que até o ano de 2030, a infraestrutura de conectividade avançada cubra cerca de 80% de todas as áreas rurais do mundo, exceto a África, onde apenas um quarto da área deve ser coberto. Para a consultoria, a chave é desenvolver mais e com mais eficiência as ferramentas digitais, para que o setor agrícola possa promover a adoção generalizada delas.

Aqui no Brasil, uma pesquisa realizada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), revelou que, dos agricultores entrevistados, 40% afirmaram usar novas tecnologias para a compra e venda de insumos, e deste total, um terço deles já utiliza soluções digitais para mapeamento da lavoura e previsão de riscos climáticos.

O mapeamento das lavouras é uma das novas tecnologias que ajudam o produtor na tomada de decisões, reduz custo e tempo, e consequentemente, melhora a produtividade e os lucros. Os mapas de produtividade fazem parte da agricultura de precisão (clique aqui para saber mais) e são produzidos com resultados dos dados coletados por sensores instalados nas máquinas. As informações obtidas são descarregadas em computadores e os softwares que utilizam tecnologias variadas, organizam e tabelam todos eles. E não termina aí. Depois que essas ricas informações são analisadas pelos técnicos e especialistas agrícolas, elas voltam para as máquinas que realizam o trabalho de plantio e colheita sozinhas.

Máquinas autônomas representam economia de mão de obra. E também ajudam a economizar tempo e insumos, uma vez que esses equipamentos evitam o pisoteamento em locais já plantados e o retrabalho. No final dessa conta, o produtor consegue um lucro maior.

Novas tecnologias como o mapeamento, representam um importante entendimento das lavouras. Com elas, o produtor pode tomar decisões assertivas que podem resultar no aumento de produtividade. Em um cenário em que os espaços de plantio estão cada vez mais escassos e a demanda aumentando, tomar decisões baseadas em dados analíticos são fundamentais e cada vez mais imprescindíveis. Para saber mais sobre a utilização de tecnologias no setor agropecuário, clique aqui.

Tags: #agricultura #agronegócios #agro #agriculturadeprecisão #tecnologia #tecnologianaagricultura #mckinsey #embrapa #equity #equitycrowdfunding #startups #investimentos #investiremstartup #organismo #organismobrasil

Posts relacionados

Comentários

Escreva o comentário

Veja todas Últimos Posts

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa Regras Gerais.