Pesquisa sobre fraudes financeiras - CVM - Parte 2

Pesquisa sobre fraudes financeiras - CVM - Parte 2

Publicado por: Departamento Jurídico Publicado: 20/07/2021 Visitas: 218 Comentários: 0

CVM divulga pesquisa sobre fraudes financeiras - parte 2

 

Continuação...

 

A respeito da relação com o fraudador, metade dos respondentes afirmou conhecê-lo de alguma forma (28,1% conhecia o golpista pessoalmente, enquanto 21,9% conhecia, mas não pessoalmente, podendo ser um conhecido de um conhecido ou uma pessoa da 14 mídia). Para 29,8% das vítimas o fraudador era um estranho e outros 9,0% disseram não ter recebido a oferta por terceiros. Os outros 11,2% não informaram. O meio de divulgação para fraude mais citado foi o aplicativo Whatsapp (mencionado por 27,5%), seguido pela divulgação boca-a-boca pessoalmente (19,7%). Também figuraram e-mail e ligação telefônica, ambos citados por 12,4% dos respondentes.

Os valores perdidos foram diversos, havendo respostas de até R$100 e acima de R$100.000, mas houve maior concentração de resposta nas faixas entre R$10.000,01 e R$50.000,00 (22,5%) e entre R$1.000.01 e R$5.000,01 (21,3%).

A respeito da finalidade do investimento, 35% da amostra afirmou estar em busca de lucro, mas ainda sem objetivo definido, seguido de 17% dos respondentes que queriam diversificar o portfólio. Parcelas menores dos respondentes afirmaram ter como finalidade usar os lucros que obteriam com o gasto de despesas mensais (7%) ou pagar dívidas (7%). Em relação às situações financeiras dos respondentes, 65,7% afirmaram não estarem endividados no momento do envolvimento com a fraude.

Na pesquisa qualitativa, houve uma confirmação desta tendência, com os entrevistados afirmando buscar diversificar seus investimentos, ter maior rentabilidade e conhecer o tipo de serviço apresentado, a maioria declarando estar ciente dos riscos envolvidos. Todos os entrevistados afirmaram não ter dificuldades financeiras quando fizeram o investimento, tampouco entraram em situação de fragilidade financeira após o golpe. Segundo eles, o valor depositado não comprometeu suas vidas financeiras, sendo um ganho extra recebido, como uma rescisão trabalhista, ou então um dinheiro já dedicado a investimentos de risco, um dinheiro que “poderia ser perdido”. Desta forma, ambas as fases da pesquisa não encontraram indícios que suportem a H2 (vítimas de fraudes financeiras caem em golpes por estar passando por dificuldades financeiras).

Nas duas fases da pesquisa foi possível ver que, quando comparadas com as não vítimas, as vítimas tendem a realizar mais investimentos a partir da recomendação de terceiros. Na fase quantitativa, foi visto que isso ocorre principalmente quando recebem indicação de amigos e youtubers, enquanto as não vítimas relatam em maior número nunca terem feito investimentos por recomendação de terceiros. Na fase qualitativa, a maioria dos entrevistados afirmou receber a oportunidade de investimento fraudulento por meio de amigos e apenas uma parcela menor afirmou procurar por ele ativamente.

Quando perguntados quais aspectos que contribuíram para que tivessem caído no golpe, os respondentes podiam marcar mais de uma opção. A opção menos representativa da nossa amostra foi a percepção de pressão pelo fraudador para tomar decisão, sendo marcada por apenas 4,5% das pessoas. As demais opções foram mais expressivas, sendo aparência do site transmitindo confiança (citada por 39,9%), outros familiares/amigos já haviam feito o investimento (38,8%), bom atendimento por parte dos profissionais (35,4%), pequeno investimento exigido (30,9%), desconhecimento da modalidade do golpe (24,7%).

Nas entrevistas conduzidas para a fase qualitativa os respondentes indicaram também como elementos de credibilidade o serviço de atendimento ao cliente, sede física e site profissional, parceria com celebridades e com marcas sólidas.

E depois, eles começaram a ofertar, numa nova plataforma, que seria uma evolução da empresa, eles começaram a ofertar seguros, viagens, através de parcerias... por exemplo, seguros, parcerias com [nome omitido], sabe, com instituições, essas, oficiais. Só que eu não vi em nenhum momento, em local algum, o vínculo entre essas empresas. Só lá no site deles e na divulgação deles que existia o logotipo, dizendo que aquela era uma empresa parceira (Entrevista realizada em 13 de novembro de 2020)

Na pesquisa qualitativa, os entrevistados relataram passar por processos similares de funcionamento do esquema: tinham ganhos no início, chegando mesmo a fazer saques, porém quando esse procedimento começava a apresentar problemas, isto era visto como alerta, normalmente justificado pelas empresas como problemas técnicos, troca de sistema, realocação de fundos, entre outros.

Eu comecei a ver um rumor, assim, que eles estavam demorando mais do que o normal a fazer os saques, né. Eu pedia pra eles devolver na minha carteira de bitcoin no meu outro exchange, eles estavam demorando. E eu comecei a ver que o pessoal começou a reclamar muito disso. Aí eu fui ver também e quando eu tentei fazer o saque, eu já não conseguia mais sacar. Eles tinham bloqueado todos os saques. Uma série de desculpas, falando que era sistema, que era a rede de bitcoins, que era, enfim, uma série de coisas (Entrevista realizada em 18 de novembro de 2020).

Os entrevistados da fase qualitativa relataram o grande impacto psicológico sofrido decorrente da fraude, narrando sentimento de frustração, de raiva e de terem sido enganados. Alguns afirmaram que a experiência trouxe também aprendizado, que os transformou em pessoas mais céticas e seletivas para novos investimentos. Para que outras pessoas evitem cair em golpes semelhantes, as vítimas recomendam não acreditar em ganho fácil e não confiar nem nas pessoas mais próximas, checando sempre a legalidade e regulamentação nos órgãos oficiais.

Continua...

 

Considerações da Organismo

Não existe dinheiro rápido e fácil, em outras palavras, não existe "milagres". Os riscos dos investimentos são proporcionais aos retornos, ou seja, quanto maior o retorno proposto, maior os riscos inerentes ao processo. Os investidores precisam estudar os investimentos antes de tomar a decisão de investir e isso demanda tempo. 

Para baixar o estudo completo, clique aqui

 

Tags: #organismobrasil #investimento #startups #investimentoemstartups #equity #equitycrowdfunding #crowdfunding # investiremstartups #melhorinvestimento #ondeinvestir #comoinvestir #financiamentocoletivo

Posts relacionados

Comentários

Escreva o comentário

Veja todas Últimos Posts

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa Regras Gerais.